Um ‘treino longo’, o bem-estar, o desânimo e o cansaço

treino batimentos cardiacos

(clique na imagem para ampliar)

No passado Domingo fiz o último ‘treino longo’ (aqui, no Garmin Connect) antes das “X milhas do Guadiana”. Corri a mesma distância que vou ter de correr entre o estádio de VRSA e o estádio de Ayamonte. Por isso, se nessa prova repetir o que fiz neste treino, estarei em condições de chegar ao fim. Resta apenas saber se até lá melhoro da garganta e dos brônquios. Sou a chamada ‘florzinha de estufa’. De Verão corre sempre tudo lindamente, mas basta começar a arrefecer para terem início as séries dos espirros ou da tosse seca. Com a natação ainda me vou aguentando sem constipar. A desgraça surge, regra geral, com a corrida. Uma pessoa transpira, a roupa fica empapada, está vento, está frio, e por mais cuidado que tenha em mudar rapidamente de roupa quando acabo o treino, são várias as vezes em que treino um dia e depois tenho de parar 7 ou 15 para me curar.

Mesmo que fisicamente esteja operacional para ir correr 17Km, a questão é que esta semana os planos de treino já ficaram furados. Era suposto fazer um treino de séries, onde correria no total cerca de 11Km. Iria mais 1 dia à piscina e dois ao ginásio, descansando na véspera da prova. Mas como isto está, parado há 2 dias, vou fazer figas para que tanto descanso forçado não me impeçam de fazer os 17Km sempre a correr. Adiante.

A imagem anterior é tirada do Garmin Connect e mostra a evolução dos batimentos cardíacos em função da distância percorrida, da elevação do terreno e do ritmo da corrida. Sou capaz de ali identificar 4 zonas distintas que passo a explicar (válido para qualquer desporto, creio eu).

Zona 1: É a zona em que o corpo tem dificuldade em encontrar um ritmo adequado, com as pulsações a chegarem perto dos 160bpm. Foram praticamente 3Km a tentar encontrar um equilíbrio. Na natação, os primeiros 300m são também bastante difíceis. O corpo está ainda a tentar aquecer, fazendo-me duvidar que possa ser capaz de nadar os previstos 1000m.

Zona 2: É a zona da euforia e de um enorme bem-estar. O ritmo certo já foi encontrado e tudo parece funcionar como um relógio suíço. As pulsações entram na faixa de treino, entre as 130 e as 150bpm. Houve batimentos acima disso, justificados pela parte do percurso que é feita ao longo de uma subida contínua, entre os 5 e os 8Km. Com a sensação que se tem nesta zona, seria possível escrever um livro de 1000 folhas que enumerasse todas as coisas boas da corrida, ou pensar em imitar o Forrest Gump, quando ele decidiu correr de costa a costa sem parar.

Zona 3: A zona da desgraça. Houve uma descida que foi aproveitada para baixar as pulsações e descansar para o último terço da corrida. O problema é que logo após a descida, fui invadido de um grande cansaço e muitas dúvidas existênciais. Naquele momento duvidei seriamente que conseguisse correr 17Km, ou que, fosse capaz de ir atravessar a ponte sobre o Guadiana.

Zona 4: É novamente uma zona de euforia, onde desta vez o bem-estar é substituído por cansaço acumulado nas pernas. Senti novamente que seria capaz de chegar ao fim. Procurando nunca levar a ‘máquina’ a atingir rotações perigosas, vai-se aumentando o ritmo com a noção que se está a fazer um esforço final para cumprir o objectivo traçado. Até que por fim se olha para o Garmin e vemos que foi a maior distância alguma vez feita a correr.

O curioso é pensar que se esteve a correr mais de hora e meia e não conseguir recordar qualquer pensamento ou ideia ao longo de todo o percurso. Um sinal que a mente terá estado momentaneamente livre de preocupações e outras tretas. Foi bom.

Esta entrada foi publicada em Corrida, Exercício Físico com as etiquetas , . ligação permanente.

6 respostas a Um ‘treino longo’, o bem-estar, o desânimo e o cansaço

  1. Ana diz:

    Boa! O meu filho fez a primeira corrida há 2-3 semanas. Quando lhe perguntei o que foi mais difícil, foi mesmo essa fase 3. Na última fez sprint! Foram 4 km 🙂
    Conselho, pelo menos pelo que ouvi: muito importante o tecido e a qualidade das camisolas ou blusões para correr, precisamente para não se ficar molhado do suor e frio ao mesmo tempo. Acho que aqui tem tudo – http://www.runnersworld.com/ – mas deves saber isso já 🙂
    Bons treinos!

    • Ena 🙂 Toda a força para esse garnde desportista que se está aí a formar. Pois isso da roupa não é nada fácil. É certo que eu não tenho o topo de gama, mas o que tenho, deveria ser capaz de cumprir a sua função de forma eficaz. Nas corridas de S. Silvestre, em pleno Inverno, vejo muitos a correrem em camisolas de alças. Não sei como não congelam, mas pelo menos, a questão do empapar a roupa em suor deve ficar para segundo plano. Também é certo que existe gente muito rija e aqueles que, à mínima coisinha, ficam abananados, como parace ser o meu caso. E a esses, não há roupa tecnologicamente evoluída que lhes valha 🙂

  2. João Lima diz:

    Força para a prova. Tudo irá correr bem!

  3. Ganfas diz:

    Boa Sorte para domingo, com esses treinos todos acho que estás mais que preparado para a prova, até porque o estares a participar numa prova aumenta a fase de euforia 😉

    Abraço

    • Obrigado Ganfas. Vamos lá ver. Para já, o senão é mesmo esta tosse que começou após o treino de Domingo passado e que me deu cabo do plano de treinos para esta semana. Não será por falta de descanso que aquilo poderá correr mal, mas por descanso em excesso :). Entretanto, segui o teu conselho e já adquiri os alfinete-dama. Mais vale ir prevenido que ter surpresas desagradáveis

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s