Uma evolução (equilibrada?)

Nova imagem

Ontem fiz um treino de 19Km, o mais longo antes da meia-maratona dos Descobrimentos, em Lisboa, no próximo dia 4 de Dezembro. Apenas a salientar o facto de ter ficado com as pernas moídas, mas nada que não se recupere com um dia de descanso. Deu também para acreditar que os dois quilómetros de faltaram para completar uma meia-maratona estariam perfeitamente ao alcance. Seriam feitos com esforço, é certo, mas seriam completados a correr. Numa apreciação geral do estado da ‘máquina’, pode-se dizer que existe pulmão mas falta um pouco de motor, sendo preciso puxá-lo mais para que comece a dar mais rendimento, sobretudo, mais velocidade ao longo de mais tempo. Em relação ao passado, o estado extremamente ofegante foi substituído por uma respiração controlada e equilibrada, notando-se agora o cansaço nas pernas para as grandes distâncias.

Fiz essa distância e comecei a pensar no que tinha sido a minha evolução nos últimos meses. Nada melhor do que um gráfico para dar uma ideia mais objectiva sobre os patamares que têm sido atingidos. Até Março, as minhas corridas não excediam os 5Km, fossem no Ludo ou em Olhão. Em Abril, achei que podia ir mais longe e comecei a fazer 7Km em Olhão, tendo mantido essa distância durante 4 meses. Em Agosto, a piscina fechou, inscrevi-me num ginásio e aumentei 1,3Km à distância anterior. O ginásio começou a dar-me o necessário fortalecimento dos músculos do tronco (além daquele que obtia através da natação), das pernas, e punha-me a correr em cima da passadeira durante cerca de 5Km. Essa ajuda, mais o facto de me terem oferecido um Garmin, incentivaram-me a avançar para os 10Km. Quinze dias depois, um salto para 14Km, executados quando tentei fazer 90’ de corrida contínua. Entretanto, surge a ideia de participar nas X Milhas do Guadiana. Por causa disso, veio a necessidade de aumentar a distância do treino. E em quinze dias, os 14Km passaram a 16,5Km. Passados outros 15 dias, atingi os 17Km. E 20 dias depois, a marca dos 19Km.

Vi um plano de treino para a meia-maratona, destinado a todos aqueles que apenas podem treinar 3 vezes por semana, com uma duração de 18 semanas e várias corridas longas de 21Km e uma de 24Km nas últimas semanas. Se eu seguisse esse plano, acredito que fosse capaz de fazer a meia-maratona com uma perna às costas. Mas não segui esse plano. Longe disso. Li também algures que o aumento da distância de treino não deveria exceder os 10% por semana. Digamos que o salto de 10Km para 14Km em 15 dias violou escandalosamente essa ‘regra’.

O gráfico mostra claramente que a subida nos treinos tem vindo a ser muito acentuada a partir de Setembro. Desde o final de Agosto e até ao final de Novembro, num espaço de 3 meses, houve um acréscimo de 12Km na distância percorrida nos treinos. Talvez seja demais. Talvez esteja a tentar dar um passo maior que a perna. Pode haver pulmão, mas resta saber se a engrenagem não começa a apresentar pontos de rotura com tantas exigências. Uma lesão é o bicho-papão do desportista e eu não quero ser brindado com uma daquelas muito chatas de tratar. Espero chegar ao dia 4 de Dezembro em condições de fazer 21Km e de os terminar a correr. Depois disso, é abrandar nos treinos longos e tentar apostar em aumentar a velocidade. Vamos lá ver, vamos lá ver.

Esta entrada foi publicada em Coração, Corrida, Dor com as etiquetas , , . ligação permanente.

4 respostas a Uma evolução (equilibrada?)

  1. Muitos parabéns! Há um ano atrás também mal conseguia correr 1 ou 2km de seguida. Mas com persistência, dia após dia, a evolução (positiva) acontece.

    • 🙂 Obrigado Luís. A verdade é que todos já passaram pelo mesmo no início. A minha primeira corrida foi de uns míseros 250m. E no fim achei que ia desfalecer. 1Km era distância utópica. Mas aos poucos, a evolução foi acontecendo. Esse é mesmo o melhor conselho que se pode dar a todos os ques estão a começar e que acham um martírio fazer poucos metros a correr: «com persistência, dia após dia, a evolução (positiva) acontece». Se antes era um martírio, agora, fazem-se Km com enorme gozo. Mesmo assim, no meu caso, espero não estar a dar um passo muito grande. Andava com uma evolução lenta e de repente parece ter ficado galopante

  2. João Lima diz:

    Caro amigo, se fez em treino 19, a Meia está garantida!!!

    Boa sorte para dia 4 e, principalmente, faça a 1ª metade calmamente

    Um abraço

    • Obrigado João. Essa de fazer a 1ª metade com calma é mesmo fundamental. Uma coisa que eu reparei na prova anterior (a única onde participei), é que se torna muito fácil entrar em euforias, em tentar seguir os que estão junto de nós e que começam a andar mais depressa. E daí que o Garmin seja mesmo um fiel amigo do corredor. O importante é ir vendo o ritmo que ela vai marcando e deixar seguir aqueles que nunca conseguiremos acompanhar até ao fim da prova

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s