Entre ortopedias e fisioterapias

Portada

Há dias pensava nisto: quando abri este blog e praticamente abandonei o “Ma Ke Jeto, Mosso”, tinha como objectivo falar sobre o desporto em geral e ir relatando as minhas experiências e pequenas conquistas. Um ano depois reparo que o blog caiu numa monotonia que se resume a dois posts semanais, um para dar conta do exercício que fiz durante a semana, outro para relatar mais um capítulo na recuperação de uma lesão. Fantástico. E para não quebrar a rotina, aqui vai mais um episódio na vida de um gajo que costuma ter problemas na perna esquerda, sobretudo ao nível da zona do joelho.

Tal como tinha contado aqui, depois de uma ida ao ortopedista terei – digo ‘terei’ porque na verdade não cheguei a ouvir o médico a dizer isso – sido diagnosticado com uma “síndrome da banda iliotibial”. A receita, entre várias coisas do tipo anti-inflamatório, incluía também sessões de fisioterapia. Esta consulta foi a 13 de Setembro. Veja-se agora como funciona a questão dos seguros de saúde. A fisioterapia, por causa do seguro, apenas pode ser feita numa clínica em Faro (pelo menos de forma a ser garantido o reembolso ou o desconto nos tratamentos). Mas antes de começar os tratamentos é necessário que o lesionado vá a uma consulta com um ortopedista nessa clínica para ser avaliado. Consegui consulta para a 5ª Feira seguinte, ou seja, cerca de 1 semana depois de ter ido à consulta com o primeiro ortopedista.

Nesse período de espera, fiz o tratamento com anti-inflamatórios que me tinha sido receitado: Pomada Naproxeno 100mg/g, gel anti-inflamatório, aplicar 2 x dia; Pensos impregnados que se colam sobre a zona afectada, Flurbiprofeno 40mg, 1 à noite. Fiz isso durante uns 3 dias. Resultados práticos ou sensação de melhoria? Zero. Foi-me também receitado comprimidos de Naproxeno 500mg, anti-inflamatório, 2 x dia. Por vários motivos, eu não quis começar a tomá-los sem antes falar com o meu médico de família. Tendo obtido essa ‘autorização’, fiz tratamento durante 5 dias. Resultados práticos ou sensação de melhoria? Tirando o facto de me sentir anestesiado, a impressão é que tudo estaria na mesma.

Entretanto houve a consulta com o ortopedista da clínica de reabilitação. Eu mostrei-lhe a prescrição que me havia sido dada pelo ortopedista anterior, a qual incluía: 10 sessões de fisiatria com crioterapia, TENS, ultra-som, alongamento e massagem. Ele terá olhado uns 5 segundos para o papel, observou-me a perna, mexeu, torceu e passou a sua receita: 10 sessões de fisiatria com crioterapia, TENS, ultra-som, alongamento e massagem. Um disse assim o outro disse assado. A questão é que para efeitos do seguro, é a opinião do último que conta para autorização dos tratamentos. A consulta foi de manhã e à tarde já estava a receber o SMS do seguro a autorização a prescrição efectuada. Vivendo e aprendendo. De futuro – caraças, como era bom dizer que nunca mais me iria lesionar – vou directamente à consulta na clínica de reabilitação, pois poupo uma consulta e escuso de perder mais tempo entre médicos.

Comecei a fisioterapia a 24 de Setembro e já fiz 3 sessões. O que tenho feito de exercício? Só nadado. Nada de corridas, nada de ciclismo. Este fim-de-semana, se o tempo ajudar, espero ir pedalar. Ontem fui à piscina e hoje fiquei com as mesmas queixas no lado externo do joelho esquerdo, tal como se tivesse sido ontem que fui correr 10Km. Um retrocesso neste processo de recuperação? Eu sei lá, sei lá. Só sei que nada sei. Só sei que já passaram 2 semanas desde a última vez que corri. E tem sido assim. O mais grave é ver as provas a aproximarem-se e eu a sentir que vou passar ao lado delas. Faltam cerca de 5 semanas para a prova mais desejada de todas (no que respeita à corrida), as X Milhas do Guadiana, e eu a duvidar da hipótese de lá estar a correr.

Esta entrada foi publicada em Fisioterapia, Lesão com as etiquetas , . ligação permanente.

4 respostas a Entre ortopedias e fisioterapias

  1. Rute diz:

    Nesta situação fiquei na dúvida se poderia continuar a pedalar… É certo que não me dói o joelho a andar de bicicleta, mas lembro-me de ter lido em qualquer lado que os ciclistas por vezes também tinham este síndrome da IT. No seu caso o médico deu-lhe o ok para continuar a pedalar?

    • Rute, é uma boa questão. A tal síndrome parece que se pode manifestar por movimentos repetidos, onde se inclui a pedalada do ciclismo. Mas no meu caso, arranjei-a sempre à custa do impacto e da corrida. Na altura, o ortopedista não colocou de parte o cisclismo. Mas atenção ao ponto em que estamos na lesão. Se for na primeira semana, o melhor é mesmo parar tudo. Se for numa fase mais avançada, eu diria que é de tentar pedalar. O senão é que convém não arriscar a ir para muito longe, para o caso da dor surgir e não der para pedalar mais

  2. Eduardo diz:

    Ola; como você está? Eu estou com essa lesao de 8 meses não sei mais o que fazer, já fiz 40 sessões de fisioterapia, gelos, antiflamatorios etc, na última me pediram pra ficar 45 dias sem fazer nenhum esforco, apenas fortalecimento; foi oque fiz; ontem tentei correr pra ver como estava e hoje não consigo nem subir escadas; qual foi o tratamento que deu certo pra ti? Me ajudaria, estou tão desanimado com isso

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s